Crase sem crise (by Leonam)

Sexta-feira, 7, 07 at 1:28 pm Deixe um comentário

O objetivo da nossa dica de português de hoje é tirar as suas dúvidas quanto ao uso da crase. Em princípio, crase é a fusão de duas vogais iguais. Mas quando isso acontece? Nos textos que você lê ou escreve, a crase ocorre na fusão da preposição “a” com:

– o artigo feminino “a” -> a + a: “Entreguei o documento à diretora”;

– o pronome “a” (equivalente a “aquela”) -> a + a: “Prefiro esta fita à que vimos ontem”;

– a primeira vogal dos pronomes demonstrativos aquele, aqueles, aquela, aquelas, aquilo -> àquele (s), àquela (s), àquilo: “Somente entregarei a bola àquele garoto”.

Essa fusão não fica aparente na pronúncia, mas, sim, na escrita, pois se assinala a crase com acento grave (`), como se vê nos exemplos acima. Portanto, a + a = à.

Veja outras dicas importantes

Lembre-se: do fenômeno da crase participam, na maior parte do casos, uma preposição e um artigo ou pronome feminino. Isso traz algumas conseqüências, como:

1. Só ocorre crase diante de nomes femininos: “Dei o lápis à Joaninha” ou “Refiro-me à carta de ontem”. (Única exceção: a + aquele = àquele, porque neste caso não houve fusão da preposição com artigo, mas com a primeira vogal de pronome demonstrativo.)

2. Só ocorre crase diante de nomes de Estados se eles costumam ser usados com artigo: “Viajarei à Bahia” ou “Vamos à Paraíba nas férias” , porque dizemos : “A Bahia fica na região Nordeste” e “A Paraíba tem lindas praias”. Mas não dizemos: “Viajaremos Santa Catarina” nem “Vamos Rondônia nas férias”, porque esses nomes são usados sem artigo: “Santa Catarina é Estado sulista” e “Rondônia é bastante quente”.

3. Só ocorre crase diante de nomes de cidades se eles forem precedidos por qualificativos, como bela, vibrante, pitoresca, etc.: “Refiro-me à bela Londrina”, mas “Refiro-me a Londrina”; “Viajou à vibrante São Paulo”, mas “Viajou a São Paulo”. Observe que este “a” é preposição = para. Aí surge uma questão: por que houve crase em “Viajou à vibrante São Paulo”, se a crase é a fusão da preposição “a” com o artigo feminino “a” e São Paulo é nome masculino? Por quê, hem? Elementar, meu caro internauta: porque aí está subentendida a palavra cidade. É por isso que poderíamos, sem problema algum, dizer: “Vamos à bela São Paulo”, “Dirigimo-nos à linda Lençóis”, etc.

4. Não ocorre crase diante de pronomes pessoais (retos ou oblíquos): “Dê a ela este livro”, não “Dê ela este livro”; “Dê a mim o que me cabe”, mas não “Dê mim o que me cabe”, porque esses pronomes não são usados acompanhados de artigo. Você já viu que para haver crase tem de haver preposição mais artigo. Se a palavra não é usada acompanhada de artigo, nada de crase.

5. Não ocorre crase diante de numerais: “Ponte a 50 metros”, mas não “Ponte 50 metros”; “Daqui a 20 anos”, mas não “Daqui vinte anos”. Isto pela mesma razão do caso 4, ou seja, os numerais não são acompanhados de artigo, já que não se diz “o dois”, “os 50”. Se alguém disser, estará subentendendo alguma palavra, como “o dois (o número dois)” e “os 50 (os anos 50)”. Nesses casos, o artigo estará acompanhando aqueles nomes (número, anos) e
não os numerais.

Fonte: www.paulohernandes.pro.br

Advertisements

Entry filed under: Sem categoria.

Lista já está disponível Curiosidade sobre o Hino da Independência

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Calendário

Setembro 2007
S M T W T F S
« Ago   Out »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Most Recent Posts


%d bloggers like this: